Corpo Elétrico (2017) filmes

Assista o trailer do “Corpo Elétrico”: um gay paulista que explora a sensualidade


Tirar o sexo de seu pedestal foi algo que o diretor quis levar à narrativa a partir de sua experiência nos sets dos longas de outros diretores

Elias (Kelner Macêdo) é o jovem criador de uma fábrica de confecção roupas no centro de São Paulo. Ele mantém pouco contato com a família na Paraíba, e passa seus dias entre o trabalho e os encontros com outros homens. Enquanto reflete sobre as possibilidades de futuro, começa a ficar cada vez mais próximo dos colegas da fábrica, e vê os amigos seguirem caminhos diferentes dos seus.

“Existe tabu na hora de gravar, com os atores preocupados, como se houvesse uma hierarquia”, conta Caetano, que afirma ter dessacralizado esse tipo de cena desde sua passagem como assistente de direção em “Tatugem” (2013), de Hilton Lacerda –longa com alta voltagem sexual.

O universo do trabalho é um dos fios da obra, centrada em Elias (Kelner Macêdo), estilista paraibano que orbita entre o mundo dos seus patrões na confecção e o dos operários do chão da fábrica.

Elias também deita seu corpo na cama de vários homens, alguns encontrados a esmo, em relações fugidias ou não, mas que nunca beiram a idealização de um filme convencional sobre gays.

Formado em ciências sociais, Caetano migrou para o audiovisual em 2005, trabalhando na produtora do conterrâneo Kiko Goifman ( “FilmeFobia”). Foram curtas como “Bailão” (2009), que correram festivais, que o fizeram estreitar parcerias com os pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Gabriel Mascaro e com a paulistana Anna Muylaert.

 

 

CORPO ELÉTRICO | 17 de agosto 2017 nos cinemas

Dirigido por Marcelo Caetano

Elenco:

Kelner Macêdo, Lucas Andrade, Welket Bungué, Ronaldo Serruya, Ana Flavia Cavalcanti, Linn da Quebrada, Márcia Pantera, Henrique Zanoni, Nash Laila, Georgina Castro, Evandro Cavalcante, Emerson Ferreira, Ernani Sanchez.

Com informações da Folha